Saltar para o conteúdo

BPI Reforma Investimento PPR/OICVM

Assegure a sua reforma a médio/longo prazo numa aplicação que investe até 25% em acções

Esta aplicação pretende proporcionar ao participante o estabelecimento de um plano de poupança reforma individual para qualquer elemento do agregado familiar, que permita complementar os tradicionais esquemas de reforma ou despesas que ocorram em situações de necessidade, nomeadamente: desemprego de longa duração, incapacidade permanente para o trabalho e doença grave.

Perfil do Investidor

Clientes que pretendam constituir um complemento de reforma individual, através de um investimento a longo prazo (5 anos) com componente em acções e maior potencial de valorização.

Evolução de Cotações

Prazo Rentabilidade Classe de Risco
1 ano 8,801% 3
3 anos 1,645% 4
5 anos 1,5% 4

Ficha Técnica

Data de Início de Actividade 02-12-1991
Divisa de Cotação EUR
Política de Rendimentos Capitalização
Comissão de Subscrição 0%
Comissão de Resgate 0% (1)
Montante Mínimo Subscrição € 1
Comissão Gestão 1,435%
Comissão de Depósito 0,090%
Prazo Liquidação Subscrição D+2
Prazo Liquidação Resgate D+5
Informaçao Adicional
Perguntas Frequentes

Notas

Rentabilidade 1 ano: 15-06-2020
Rentabilidade 3 anos: 15-06-2018
Rentabilidade 5 anos: 16-06-2016

(1) Em situações normais de comercialização não será cobrada comissão de resgate. Poderá ser cobrada uma comissão de resgate de 1% ate 90 dias decorridos sobre a data de subscrição no caso de resgates fora das condições gerais. A comissão de resgate será cobrada em função da salvaguarda do interesse dos demais participantes no OIC.

A presente mensagem tem natureza publicitária e é prestada pelo Banco BPI, S.A.

O investimento no organismo de investimento coletivo apresentado, pode implicar a perda do capital investido.

O Prospeto Completo, Relatório de Contas e o Prospeto Informativo e/ou o Documento com Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores do organismo de investimento coletivo apresentado podem ser obtidos, sem encargos, junto da Sociedade Gestora, do Banco Depositário e das Entidades Colocadoras.

Para que os pedidos sejam considerados no próprio dia, deverá ser respeitada a hora limite de transmissão de ordens constante no prospeto de cada produto. Fora deste horário serão considerados como transmitidos no dia útil seguinte.

Regime fiscal em vigor pode ser consultado em www.bancobpi.pt. O tratamento fiscal específico dos produtos depende das circunstâncias individuais de cada Cliente e está sujeito a alterações.

Não são dedutíveis à coleta de IRS, os valores aplicados pelos sujeitos passivos após a data da passagem à reforma.

Sociedade Gestora:
BPI Gestão de Ativos - Sociedade Gestora de Organismos de Investimento Coletivo, S.A.com sede Rua Braamcamp, nº 11, 4º, em Lisboa, com o capital social de € 2.500.000, matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa sob o número único de matrícula e identificação fiscal 502 443 022 , registada com o n.º 185 junto da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) - Informações adicionais relativas ao registo disponíveis em www.cmvm.pt

Entidade Colocadora:
O Banco BPI, S.A. com sede na Rua Tenente Valadim, 284, Porto, 284, Capital Social de € 1.293.063.324,98, contribuinte e CRC Porto n.º 501 214 534, encontra-se autorizado pelo Banco de Portugal a exercer as actividades de intermediação financeira compreendidas no respetivo objeto e encontra-se para esse efeito registado junto da Comissão de Mercados de Valores Mobiliários (CMVM) - Informações adicionais relativas ao registo disponíveis em www.cmvm.pt

Banco Depositário:
Cecabank SP tem sede na Avenida da Liberdade, N.º 190 - 1.º A - 1250-147 Lisboa - Portugal, estando registado na CMVM sob o nº 375, e no Banco de Portugal sob o nº 274 (sociedade comercial sob a forma de Banco, constituída ao abrigo da lei espanhola).

As rentabilidades obtidas no passado não constituem garantia de rentabilidade no futuro. As rentabilidades são líquidas de comissão de gestão e excluem comissões de emissão e resgate. O valor das unidades de participação dos Fundos pode aumentar ou diminuir em função da avaliação dos ativos que integram o património do Fundo. O BPI adverte que, em regra, a uma maior rendibilidade dos fundos está associado um maior risco.

As rentabilidades indicadas não consideram o benefício da Dedução à Coleta de IRS nem o imposto sobre os rendimentos devido no resgate.

As rentabilidades divulgadas para um período de referência superior a 1 ano só seriam obtidas caso o investimento fosse efetuado durante a totalidade do período de referência.

Os níveis de risco efetivo registados nos períodos de referência (NRP), variam entre a classe 1 (risco mínimo) e a 7 (risco máximo) e foram calculados por cada sociedade gestora, em função dos seus próprios critérios de avaliação de risco. O ISRR (Indicador Sintético de Risco) varia de 1 a 7, sendo 1 considerado (Baixo Risco) e 7 (Elevado Risco). O ISRR e o NRP são calculados nos termos do artigo 74.º do Regulamento CMVM n.º 2/2015; Podendo ser apurados em momentos/formas distintos, apresentam por vezes valores diferentes.

Resgates PPR: No âmbito do regime excecional estabelecido pela Lei nº 75-B/2020, de 31 de dezembro, o valor dos PPR pode ser reembolsado até 30 de setembro de 2021, até ao limite mensal do indexante dos apoios sociais: 438,81€ para o ano de 2020, exceto para o fundamento relacionado com o arrendamento em que o limite mensal é equivalente a uma vez e meia o indexante dos apoios sociais: 658,215 €, e sem acréscimo à coleta previsto no artigo 21.º, n.º 4 do EBF quando tenham sido feitas até 31.03.2020 mesmo quando as entregas tiverem sido efetuadas há menos de 5 anos e com acréscimo à coleta previsto no artigo 21.º, n.º 4 do EBF quando tenham sido feitas após 31.03.2020, quando se verificar uma das seguintes circunstâncias excecionais:
Um dos membros do agregado familiar (a) tenha sido colocado em redução do período normal de trabalho, em virtude de crise empresarial, (b) esteja em suspensão do contrato de trabalho, em virtude de crise empresarial, (c) se encontre em situação de desemprego registado no Instituto do Emprego e Formação Profissional, I. P., (d) seja elegível para o apoio extraordinário à redução da atividade económica de trabalhador independente, nos termos do artigo 26º do Decreto-Lei nº 10 -A/2020, de 13 de março, (e) Seja elegível para o apoio extraordinário ao rendimento dos trabalhadores, previsto no artigo 156.º da Lei nº 75-B/2020, de 31 de dezembro (LOE), (f) sendo trabalhador em situação de desproteção económica e social, preencha os pressupostos para beneficiar do apoio extraordinário previsto no artigo 325.º -G da Lei n.º 2/2020, de 31 de março, aditado pela Lei n.º 27 -A/2020, de 24 de julho, ou no artigo 156.º da Lei nº 75-B/2020, de 31 de dezembro (LOE), (g) Apresente uma quebra do rendimento relevante médio mensal superior a 40 % no período de março a dezembro de 2020 face ao rendimento relevante médio mensal de 2019 e, cumulativamente, entre a última declaração trimestral disponível à data do requerimento do apoio e o rendimento relevante médio mensal de 2019, (h) se encontre em situação de isolamento profilático, conforme estabelecido no Decreto-Lei nº 10-A/2020, de 13 de março, (i) doença (provocada pela epidemia), conforme estabelecido no Decreto-Lei nº 10-A/2020, de 13 de março, (j) se encontre em regime de prestação de assistência a filhos ou netos, conforme estabelecido no Decreto-Lei nº 10-A/2020, de 13 de março, (l) sendo arrendatário num contrato de arrendamento de prédio urbano para habitação própria e permanente em vigor à data de 31 de março de 2020, esteja a beneficiar do regime de diferimento do pagamento de rendas nos termos da Lei nº 4-C/2020, de 6 de abril, e necessite desse valor para regularização das rendas alvo de moratória.